Análise Financeira: saiba DETECTAR os problemas da sua empresa

Conheça a análise financeira, uma ferramenta capaz de otimizar e melhorar as decisões financeiras na sua empresa, além de te ajudar a aproveitar oportunidades e mitigar fraquezas.

Os principais objetivos financeiros de uma empresa são: maximização do lucro; maximização do valor de mercado da empresa; maximização da riqueza do Acionista e sustentabilidade. E, a fim de alcançar tais objetivos, o gestor financeiro precisa tomar decisões diariamente. Mas como decidir? Como tomar a decisão mais adequada? Neste contexto, surge uma grande amiga dos gestores: a análise financeira.

A análise financeira consiste em um conjunto de ferramentas que viabilizam uma visualização do panorama da saúde financeira de uma organização de maneira mais simples, rápida e intuitiva. As ferramentas podem englobar comparações, formalização de indicadores e gráficos de análise dos pontos e cenários que influenciam as finanças do negócio.

Mas qual o objetivo dessa análise?

É simples, a partir de uma análise estruturada da situação financeira da empresa, conseguimos avaliar o desempenho da gestão econômica, financeira e patrimonial da empresa, e coletamos insumos para embasar a tomada de decisão.

Mas quais decisões?

Essas análises dão insumos para diversas áreas da empresa, tanto financeiras como podem influenciar iniciativas de marketing, estratégia e gestão. Ou seja, quando entendemos a saúde financeira da nossa empresa, podemos agir de forma direcionada em todas as áreas da organização.

Outra prática da análise financeira é a comparação dos resultados da empresa com os do setor, a fim de questionar a continuidade do negócio, e tomar decisões quanto a financiamentos, investimentos, mudanças no estilo de negócio e até a adequação a cenários políticos, econômicos e setoriais.

A análise financeira é estruturada em 3 grandes categorias, são elas:

→ Análise Horizontal;

→ Análise Vertical;

→ Análise através de indicadores financeiros.

Análise horizontal

A análise horizontal se dedica a comparar os resultados de um mesmo indicador em relação a períodos anteriores. Ou seja, essa análise indica a evolução de um resultado. Para esta análise, é preciso organizar os dados de cada período lado a lado. A partir disso, é possível identificar qual foi o aumento ao longo dos anos/períodos, tendências financeiras, traços de sazonalidade, dentre outras informações.

Análise vertical

A análise vertical, como o nome já indica, ocorre verticalmente. Esse tipo de análise é utilizada para levantar a participação das contas em um total, a fim de visualizar o impacto de uma determinada conta ou atividade nos resultados finais. Além de suscitar um olhar mais profundo e descobrir as causas primárias do resultado insatisfatório ou satisfatório.

Indicadores financeiros

Os indicadores financeiros são instrumentos usados para medir, coletar e gerar informações sobre a situação econômica, financeira e patrimonial de uma empresa. Assim, a sua mensuração e análise propiciam acompanhamento quantitativo dos resultados e saúde financeira de uma empresa.

A análise através de indicadores financeiros relaciona grandes itens das demonstrações financeiras. O indicadores são capazes de mostrar os resultados, ou se a meta foi alcançada, ou até mesmo como o processo foi executado. Os valores gerados podem ser comparados com resultados de empresas de mesmo segmento ou históricos, a fim de auxiliar o gestor a saber se seu negócio está indo bem ou não.

Uma maneira prática de treinar a análise de indicadores financeiros que podemos sugerir, é comparar indicadores de empresas com capital aberto. Para isso, podemos citar o site Fundamentus. É possível analisar as empresas por setor, com alguns dos  indicadores mais amplamente utilizados. Para conhecer alguns indicadores financeiros, clique aqui (abrirá em outra aba e você poderá continuar a leitura).

Indicadores

Exercite-se: tente construir uma linha lógica para identificar aquelas empresas do setor que, pelos indicadores, aparentam ter melhor condição financeira. Uma dica é começar comparando a margem de lucro entre as empresas de mesmo setor. Sendo acima ou abaixo da média, por si ela já diz muito sobre a gestão e sustentabilidade da empresa. Relacionando também com a sustentabilidade, recomenda-se depois fazer uma análise sobre os indicadores da dívida, para por fim analisar o crescimento anual da receita que sugerirá se o modelo é escalável.

Uma vez estudado os indicadores, eles gerarão perguntas que poderão ser melhores aprofundadas através do estudo vertical e/ou horizontal dos demonstrativos financeiros das empresas ou mesmo de seu posicionamento estratégico (Por exemplo, uma empresa com margem de lucro pequena, mas com uma dívida sustentável e um histórico de crescimento de receita poderá ser uma boa companhia de baixo custo).

Logo, enquanto o estudo dos demonstrativos é necessário para se ter uma noção precisa do que está acontecendo, os indicadores financeiros são a primeira frente, os objetivos e pontos de alerta do gerenciamento de uma empresa.

Assim, um grande atrativo da análise a partir dos indicadores é que eles são mais objetiva e de fácil comparabilidade, você pode investir em uma ferramenta que mensure esses indicadores mensalmente e a análise passa a ser bem mais visual e rápida, demonstrando a evolução ao longo do tempo.

Um exemplo prático

Observe o fluxo de caixa abaixo:

Capturar.PNG

Aplicando a análise vertical, observa-se, no mês de janeiro, que os convênios representam a conta de maior expressividade nas receitas, enquanto os atendimentos particulares ainda são pouco expressivos. Dessa forma, conclui-se que a clínica é refém do atendimento por convênios. Ao analisar as despesas administrativas, observam-se grandes gastos mensais com serviços terceirizados, logo, a partir dessa informação, busque se questionar quanto aos possíveis motivos para isso, se outras empresas do setor também estão gastando com isso, se é possível diminuir esses valores ou se existem prestadores com preços mais competitivos no mercado.

Já na análise horizontal, observa-se uma grande oscilação no resultado final da empresa no mês de fevereiro. Questione-se. O que houve? A partir disso, analise as entradas e saídas, o que mudou? No exemplo dado, é perceptível que, neste mês, tanto as receitas diminuíram como as despesas aumentaram, criando um cenário bastante desfavorável. Compare os resultados neste mês com o mesmo momento em anos anteriores e com outras empresas também.

A fim de um diagnóstico mais assertivo, mescle as análises, o resultado encontrado em fevereiro pode ser explicado quando olhamos as contas de forma vertical. Comece com o lucro. Observe a variação dele ao longo do tempo. Para grandes variações, ou mesmo uma margem de lucro incondizente com o mercado/desejado, busque entender nas receitas ou nas despesas, o que causou essa variação. Assim, uma vez bem delimitado o problema, tome decisões para tentar solucioná-lo.  Como dito, muitas vezes o mais difícil é determinar o problema.

No entanto, uma grande curiosidade dessas ferramentas, é a falta de metodologia fixa, um grupo de informações podem resultar nas mais diversas inferências, por diversos caminhos. Na análise financeira, os responsáveis por direcionar as comparações são os questionamentos feitos sobre o indicador.

Para obter sucesso, independente da forma de análise, é preciso se questionar!

Assim, conseguimos localizar falhas, problemas e explicar os motivos da empresa por estar em determinada situação. Saber exatamente o que deve ser resolvido, muitas vezes, necessita de mais prática do que para saber como solucionar.

Neste sentido, podemos suscitar também o princípio de Pareto. O princípio de Pareto, que por muitas vezes foi adaptada para o âmbito de organizações, analisa que cerca de 80% das consequências de uma organização são provenientes de apenas 20% das possíveis causas. Logo, no contexto de uma empresa, é comum observarmos a mesma relação: 80% das receitas costumam ser provenientes de apenas 20% dos produtos.

Assim, através da análise financeira você tem a oportunidade de descobrir quais são os produtos e serviços responsáveis pelos seus 20% mais expressivos, tanto em problemas, quanto na geração de resultados para empresa. Após conhecê-los, você terá a oportunidade de priorizar a atuação nessas atividades. Se você quiser conhecer a aplicabilidade de outros tipos de indicadores além dos financeiros, clique aqui.

Gostaria que fizéssemos a análise financeira da sua empresa ou estudássemos a condição de algum mercado? Entre em contato com a gente!

imagem final post mb

Escrito por: Graziela Azevedo

Supervisionado por: Marcelo Portela

Consultores de projetos – AD&M Consultoria Empresarial

Referências:
GITMAN, L.J. Princípios de Administração Financeira Essencial. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.
ALCÂNTARA, Alexandre. Estrutura, Análise e Interpretação das Demonstrações Contábeis. São Paulo: Atlas. 2007
Anúncios